Facebook Twitter Linked In Mais opções
imagem de destaque

Braga Santos & Bartók

Quarenta e um anos separam os segundos quartetos de cordas destes dois compositores; por sinal, muito diferentes entre si.

A personalidade de Béla Bartók era calculista, por vezes de humor cáustico, mas também atenciosa e educada. Viveu com agonia o impacto da 1.ª Grande Guerra no território onde nasceu, a Hungria.

Joly Braga Santos era caloroso, espontâneo e alegremente distraído. Grande parte da sua carreira atravessou o Estado Novo.

Em comum, tinham ambos uma enorme paixão pela música, sendo que estes quartetos permitem identificar mais aspetos que os aproximam. Foram compostos quando tinham idades idênticas – 36 e 34, respetivamente – e buscavam novos rumos criativos.

Datado de 1917, o Quarteto de Cordas N.º 2 de Bartók coincide com o período em que o músico buscava equilíbrio entre a utilização de música de raiz popular e uma escrita sofisticada e com assinatura. É uma obra que serve de charneira entre um romantismo já «desfigurado» e o passo em frente na exploração de novas soluções técnicas e estilísticas. O andamento central, um Scherzo, evidencia experimentações que se identificam com as tendências modernistas que despontavam nessa época.

O Quarteto de Cordas N.º 2 de Braga Santos foi também escrito num período de transição. Tinha acabado de se instalar na Itália, onde permaneceu quatro anos, entre 1957 e 1961. Teve aí contacto com uma vanguarda musical conducente a uma evolução própria, desde logo com mais cromatismos e dissonâncias. Nesta obra ainda ressaltam melodias de cariz popular reminiscentes de Bartók. No último andamento é notória a influência do músico húngaro.

José Pereira, Joana Dias – violinos
Santiago Medina – viola
Hugo Estaca – violoncelo

Programa:

Joly Braga Santos Quarteto de Cordas N.º 2
B. Bartók Quarteto de Cordas N.º 2

Próximos Eventos

Clássicos
LU.NA – Dança e Música para Bebés
Anselmo Braamcamp Freire, proprietário em Loures
Actualizado a 18/12/2023
To top