Facebook Twitter Linked In Mais opções
imagem de destaque

AML está a promover um curso online para dar a conhecer o Património Arquitetónico e a Arte Urbana

A Igreja Santa Maria, no Barreiro, o Forte de Santa Maria, em Cascais, e o Chafariz do Largo do Carmo, em Lisboa, são apenas três dos 18 monumentos mostrados no curso  “Património Arquitetónico e Arte Urbana”, que a AML disponibiliza gratuitamente para todos que pretendam conhecer um pouco melhor o património material e imaterial da região.

Igreja Santa Maria (Barreiro)

Construída no início dos anos 60 do século XX, a Igreja Santa Maria, no Barreiro, insere-se numa nova tipologia de igrejas do Movimento de Renovação da Arte Religiosa, caraterizado por estruturas ousadas e linhas contemporâneas.

Impõe-se pelas suas dimensões, pela sobriedade e pelo despojamento ornamental, sendo composta por três pisos: cave com sala de projeções, piso térreo, onde se desenvolve o templo, e piso superior, reservado a serviços da fábrica da igreja. O corpo principal, que se eleva a 16 metros de altura, tem capacidade para cerca de mil pessoas sentadas.

Forte de Santa Maria (Cascais)

Forte construído no séc. XVII, após a Restauração, e incluído na linha defensiva da Barra do Tejo. Cruzava fogo com a bateria da Cidadela e defendia a pequena foz da Ribeira dos Mochos. Tem uma planta poligonal irregular, de pequenas dimensões. No ângulo da plataforma possui um farol oitocentista de planta quadrangular e um corpo prismático.

No séc. XX, as instalações foram adaptadas a residência e zona de apoio aos faroleiros. O Forte e o Farol de Santa Marta foram alvo de um projeto de requalificação e musealização, inaugurado em 2007.

Chafariz do Largo do Carmo (Lisboa)

De arquitetura de estilo tardo-barroca, o chafariz está ligado à distribuição de água a Lisboa, através do Aqueduto das Águas Livres, pela Galeria do Loreto. Este monumento nacional, localizado no Largo do Carmo, mesmo em frente às ruínas do convento com o mesmo nome, é um dos mais originais da capital.

No século XIX, este chafariz tinha quatro bicas, sete companhias de aguadeiros, sete capatazes, 231 aguadeiros e dois veículos ligeiros. Em 1851, era o chafariz com maior caudal de todos os que foram construídos no âmbito do Aqueduto das Águas Livres.

Para ficar a conhecer melhor estes três monumentos, e os restantes quinze, inscreva-se no curso “Património Arquitetónico e Arte Urbana”, que dá a conhecer 18 ícones patrimoniais da região, um por cada concelho da área metropolitana de Lisboa, com vídeos e textos, onde são revisitados alguns episódios da história de Portugal, particularidades arquitetónicas e outras curiosidades.

O curso decorre num ambiente de aprendizagem virtual, vocacionado para um grande número de pessoas, e configura uma abordagem inédita por parte de uma instituição intermunicipal.

Pode ser feito ao ritmo de cada participante, numa viagem cultural que demorará, no total das unidades formativas, cerca de cinco horas. No final de cada unidade formativa, haverá um momento de avaliação, através de quizzes.

O curso lança, ainda, um olhar contemporâneo sobre uma das formas de arte emergente na região, a arte urbana (veja aqui um pequeno vídeo de apresentação do curso).

Está disponível na plataforma digital NAU (aqui), até abril de 2023.

Actualizado a 19/04/2023
To top