Facebook Twitter Linked In Mais opções
imagem de destaque

Quarto aniversário do Navegante comemorado em Sesimbra

A TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa assinalou o quarto aniversário do sistema tarifário navegante no dia 30 de março, numa cerimónia que decorreu em Sesimbra, no Cineteatro Municipal João Mota.

O evento contou com a participação de Duarte Cordeiro, ministro do Ambiente e da Ação Climática, Jorge Delgado, secretário de estado da Mobilidade Urbana, Francisco Jesus, presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Carla Tavares, presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Eduardo Vítor Rodrigues, presidente do Conselho Metropolitano do Porto, Carlos Humberto, primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa, Ariana Pinho, primeira-secretária da Área Metropolitana do Porto, e Faustino Gomes, presidente do conselho de administração da TML – Transportes Metropolitanos de Lisboa, entre outros convidados e representantes dos operadores de transportes e de instituições locais e nacionais.

Na cerimónia, de uma forma unânime, foi sublinhada a importância do sistema tarifário navegante, que, nas palavras do ministro da Ambiente e da Ação Climática “permite perceber o impacto que a política pública pode ter na transformação da vida das pessoas”. Duarte Cordeiro congratulou-se pela coragem que a Área Metropolitana de Lisboa e os seus 18 municípios tiveram numa “construção coletiva, que juntou esforços nacionais e locais”, e apontou novos caminhos para a mobilidade de toda a área metropolitana de Lisboa: “para vencer o desafio da descarbonização temos de continuar o caminho que se iniciou em 2019 e apostar nos transportes coletivos”.

O secretário de estado, Jorge Delgado, por sua vez, referiu que “o navegante tornou mais atrativa a utilização dos transportes públicos, que têm de ser a espinha dorsal da mobilidade”.

Para o autarca anfitrião “A criação do navegante foi a medida com maior amplitude económica dos últimos anos no seio dos agregados familiares que se traduziu numa enorme recuperação de rendimentos”. Francisco Jesus lançou ainda um repto ao governo para que “assegure uma comparticipação financeira necessária à gestão atual da operação”, na linha do que os próprios municípios estão a fazer.

Carla Tavares, presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, recordou também que “é gratificante olharmos para o caminho que fizemos em conjunto, e que só foi possível chegar a este resultado com o empenho de todos”, acrescentando que “apesar das adversidades, estas têm sido paulatinamente superadas com a participação de todos”.

O primeiro-secretário metropolitano, recordou que foram “traçadas metas ambiciosas e difíceis, num processo disruptivo e revolucionário”, mas que esse “foi o caminho certo na mobilidade na área metropolitana de Lisboa e no país, só possível com o empenho, articulação, cooperação, e criação de consensos entre os municípios, o governo, e entidades com intervenção no setor”. Carlos Humberto de Carvalho rematou a intervenção referindo que “temos inspiração, uma visão, e um projeto que construímos juntos, e juntos, com ousadia, energia, criatividade, saber, e motivação vamos continuar a trilhar este caminho”.

Faustino Gomes, presidente do conselho de administração da Transportes Metropolitanos de Lisboa, fez uma retrospetiva da operação desde 2019, e do impacto que teve na população, “apesar dos efeitos da pandemia, com resultados negativos na operação, o passe navegante cumpriu e cumpre o seu propósito. Ele é o futuro”.

A cerimónia serviu ainda para dar a conhecer a nova campanha do navegante, que realça as vantagens dos transportes coletivos relativamente ao uso do carro, “o principal inimigo dos transportes coletivos”.

Fotografias: C.M.Sesimbra / Rui João Rodrigues

Actualizado a 20/04/2023
To top