Facebook Twitter Linked In Mais opções
imagem de destaque

workshop em Beja encerra périplo nacional de projeto da AML sobre ação climática

No dia 16 de junho, a AML foi à Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL), em Beja, apresentar o terceiro (e último) workshop nacional de capacitação do projeto CLIMA.AML- Rede de Monitorização e de Alerta Meteorológico Metropolitano.

workshop “Monitorizar para avaliar e prevenir impactos climáticos” contou com a participação de investigadora Cristina Branquinho, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e de Pedro Garrett, fundador da 2Adapt, que abordaram o fenómeno de Ilha de Calor Urbano, e os indicadores climáticos locais de vulnerabilidade e sistemas de alerta, respetivamente.

A abertura da sessão esteve a cargo de Fernando Romba, primeiro-secretário intermunicipal da CIMBAL, e de Emanuel Costa, secretário metropolitano da Área Metropolitana de Lisboa.

Estiveram na sessão cerca de 20 participantes, maioritariamente técnicos de municípios pertencentes à área geográfica da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (composta pelos municípios de Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Ourique, Serpa e Vidigueira).

Emanuel Costa, congratulou-se com a realização da sessão em Beja sobre impactos climáticos que, na sua opinião, “constituem um desafio crucial em termos de desenvolvimento sustentável”. O secretário metropolitano realçou também a importância dos planos de Adaptação às Alterações Climáticas da Área Metropolitana de Lisboa e do Baixo Alentejo.

Fernando Romba, opor sua vez, apresentou o programa Resist (Regions for climate change resilience through Innovation, Science and Technology), um projeto desenvolvido no seio das EU missions, que, segundo o primeiro-secretário intermunicipal da CIMBAL, “serve para reforçar a resiliência do território, acelerar a sua transformação, e aumentar a capacidade de adaptação de 12 regiões na Europa”.

Os workshops visaram a partilha dos resultados alcançados e a replicabilidade de boas práticas a nível nacional junto de stakeholders regionais relevantes nas temáticas do ambiente, alterações climáticas e ordenamento do território.

No mês de julho será realizada, em Lisboa, uma conferência final do projeto.

O projeto CLIMA.AML tem como objetivo a criação de uma solução integrada para a monitorização meteorológica em contexto urbano, e está a ser concretizado através de uma rede metropolitana de 18 estações meteorológicas (que envolve todos os municípios da área metropolitana de Lisboa) e uma plataforma online (https://clima.aml.pt), que compila dados meteorológicos e informações essenciais de suporte à sua monitorização e avaliação em tempo real.

As estações meteorológicas, que funcionam em complementaridade com a rede do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), permitirão conhecer os padrões associados às alterações climáticas e os seus impactes nas comunidades locais.

A Área Metropolitana de Lisboa está a implementar o projeto CLIMA.AML- Rede de Monitorização e Alerta Meteorológico Metropolitano, no âmbito do programa Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono, operado pela Secretaria Geral do Ambiente e da Ação Climática e financiado pelos EEA Grants 2014-2021.

Actualizado a 12/07/2023
To top